AMALAYA | LIBERDADE SEM ESCOLHA!
15757
post-template-default,single,single-post,postid-15757,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-9.5,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

LIBERDADE SEM ESCOLHA!

Diz o dicionário,

Livre arbítrio:

possibilidade de decidir, escolher em função da própria vontade, isenta de qualquer condicionamento, motivo ou causa determinante.

O problema é que acreditamos que condicionamento é aquilo que está vindo de fora e que nossa vontade é livre, mas se perguntarmos “quem em mim tem vontade” a resposta coincidirá com o aprendizado formatado pela cultura e moral que preencheu o vazio deixado pela desconexão primordial.

A desconexão primordial em nossa cultura acontece quando um bebê nasce totalmente disposto a criar vinculo com outro ser que não está preparado para tal vinculo.

Pois o vinculo primordial se da entre seres e não entre instituições.

E toda instituição mãe pari um bebê institucionalizado.

A instituição mãe é aquela que assume um papel pré determinado, que segue conselhos, que tem idéias e ideais formatados por sua educação familiar e social, que pode ser perpetuada pela obediência ou desobediência, pois desobedecer também é uma forma de manter as heranças vivas.

Por isso é uma grande ilusão dizer ‘“eu faço o que eu quero”.

Quem é esse “eu”?

Esse “eu” é o ser que criou um mundo paralelo que vive sustentado por crenças, hábitos e padrões que de tão íntimos damos o nome de individualidade.

Individualidade é o modo como nossa pulsão de vida administra a instituição “eu”.

A liberdade só pode acontecer na imprevisibilidade, não importa quantas escolhas estão disponíveis, se são pre estabelecidas já são previsíveis.

Só precisa de livre arbítrio aquele que está preso, e um preso com livre arbítrio continuará um prisioneiro com múltiplas possibilidades.

Não é fácil sair desse ciclo vicioso, mas é possível.

Seres humanos adultos tem a biologia preparada para deixar de sustentar a falta primordial do vinculo perdido através do vincular-se com sua pulsão de vida.

Basta estar preparado para deixar o lugar cômodo, ilusório e estabelecido da instituição “eu”, começando por parar de investir no livre arbítrio.

E então a liberdade será a única possibilidade, onde ser livre é não ter escolhas e sim ser a própria expressão de uma potência que pulsa a vida.